terça-feira, 3 de julho de 2012

Relato de amamentação e APLV (Parte II)

Como já contei aqui o começo da amamentação não foi nada fácil. Quando escrevi o primeiro texto Benjamin tinha 25 dias e estava com a alimentação sendo complementada por NAN Confor 1.

A alimentação com LA (Leite Artificial) não é nada simples. Em alguns bebês, sobretudo no início, ela pode causar prisão de ventre e cólicas então é importante acertar o leite aos poucos. Hoje existem muitas marcas no mercado o que permite que as mães, sempre junto aos pediatras de seus filhos, encontrem a melhor opção para o bebê.

Mas fato é que aos 25 dias de vida Benjamin só chorava. O dia todo, todos os dias e grande parte da noite. Foi um período muito difícil, desses duros de lembrar porque ao choro dele misturava-se meu cansaço, a insegurança e os hormônios mega alterados depois do parto.

O choro incessante foi motivo de teorias inesgotáveis de todos, até de quem via o menino chorando na rua... "Ah! É fome!", "Ah! é cólica!", "Nossa essa mãe é uma monstruosidade e belisca essa criança o dia todo." (a última ninguém falou, mas que pensaram, pensaram. rsrsrs). Bom, sabíamos que fome não era o motivo das lágrimas. Benjamin sempre ganhou peso muito bem, graças a Deus. Então acreditamos que era a hora da cólica. Fizemos de tudo que existe. Massagem, reza brava, remédio alopático, homeopatia e tudo mais. Até encontramos o último pote de Funchicórea do mundo, cedido por uma amiga. E sabe qual foi o resultado? Nenhum. O choro não parava e o menino seguia dependurado nos meus peitos dia e noite.

Passamos ao passo 2: Refluxo. Ele chora porque tem refluxo. E eu pensava "Como ele tem refluxo se ele quase nunca regurgita?". Mas o médico disse que era isso e então começamos a tratar o tal refluxo. Foram 7 dias com medicamento e nenhum sinal de melhora. Foi quando numa inocente troca de fraldas, depois de levar um cocô voador na roupa vi que havia algo errado. O bumbum dele estava vermelho e a mucosa do anus parecia estar inflamada. A sorte é que no dia seguinte teríamos consulta no médico e ele poderia avaliar se o que eu vi era um exagero meu sobre uma simples assadura de bumbum ou se realmente representava algo a mais.

No dia seguinte fomos ao médico e relatamos a fissura. Ele examinou bem, perguntou sobre o choro e quantidade de vezes que o Benjamin evacuava e aí veio a sugestão do diagnóstico. Alergia a proteína do leite de vaca (APLV). Isso explicaria o choro excessivo, a prisão de ventre e a tal fissura. Para confirmar o diagnóstico precisaríamos insentá-lo de todo o contato com leite de vaca e isso incluia mexer na minha dieta, já que ele é alimentado no peito, e mudar, de novo, a fórmula de LA.

Encaramos mais essa e desde que ele tem 1,5 mês não como nenhum tipo de derivado de leite e isso inclui uma lista ENORME de produtos industrializados, que a priori parecem inofensivos, mas que são enriquecidos com proteína de leite de vaca. Com a minha dieta em vigor e com a mudança de leite (do Aptamil para o Aptamil Pepti) ele melhorou bem por uns 5 ou 6 dias e depois recomeçou o choro.

Foi quando decidimos ouvir uma segunda opinião médica e houve a concordância em relação a Alergia a Proteína do leite de Vaca (APLV) mais a suspeita de intolerância a lactose. Isso significou que mudamos, mais uma vez, o LA e chegamos ao Pregomin Pepti, uma fórmula chamada de hidrolisado proteico. Ou seja, não contém nenhum tipo de proteína, vem praticamente digerida para o organismo. Desde então Benjamin é outro neném. Parou de chorar, é risonho, feliz e gordinho. Só que essa fórmula também prende o intestino e por isso, durante 2 meses preparamos o leite dele em água de ameixa.

Nesse interim a amamentação estava indo bem, com Equilid, Homeopatia, Chá da mamãe, tintura de algodoeiro e muuuuitos litros de água até que veio a Mastite. Começou com uma dorzinha, bem tolerável para amamentar até que não deu mais. Amamentar era impossível.

A mastite é a inflamação da glândula mamária. As mamas ficam extremamente doloridas, inchadas, avermelhadas e quentes e o pior: diminui a produção de leite. O tratamento, se feito bem no principio é simples e eficaz. Requer o uso de antibióticos, mas dá bons resultados. Foram 7 dias de antibiótico e antiinflamatorio até que as coisas melhorassem.

E como Murphy, aquele da lei, insiste em aparecer. Não bastava a pouca produção de leite, não bastava a APLV, não bastava a mastite, agora ele resolveu Rejeitar o seio. Segundo os pediatras esse é um comportamento razoavelmente comum entre os bebês e não significa que ele esteja pronto para desmamar. As causas para a rejeição do seio podem ser muitas, mas entre elas - e acho que é o nosso caso - está no uso da mamadeira junto com o seio. Em algum momento da vidinha dele de 4 meses ele percebeu que é muito, muito mais fácil mamar na mamadeira do que extrair leite do peito e aí ele faz o que? Chora, grita, esperneia, vira a cara. Tá fácil.

Agora temos tentado contornar a situação... Com muita paciência, paz de espírito e intervalos maiores entre as mamadas para que elas fiquem mais cheias de leite e ele consiga fazer menos esforço para mamar e como segunda opção a translactação (mais informações daqui alguns dias, depois de feito o teste...).

E se você chegou até o fim desse post, parabéns, porque você foi guerreiro(a) e merece um MUITO OBRIGADA!!!!

16 comentários:

  1. Thais, trabalhei com o Rafa na J3P, acho q te conheci num happy hour.. eu estava grávida na época.

    Descobri teu blog agora. Tenho uma filha de 1 ano e 3m, e lendo seu post me considero tão sortuda, pq a Nina ainda mama, nunca teve problemas.

    Te desejo sorte e paciência (como precisamos de paciência ein?) =) Vai dar td certo.

    O Benjamin é mt mt lindo!! Parabéns!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Se alguém ainda duvidar de amor de mãe depois da sua saga, tem que apanhar! O importante é que ele cresce saudável e cheio de amor!

    ResponderExcluir
  3. Obrigada pelo carinho, Priscila! E que a Nina (linda por sinal, Rafa sempre me mostra fotos) continue com saúde e muito leitinho do peito na vida dela! Beijo grande!

    ResponderExcluir
  4. Ai Nati, vou te falar que requer persistência, mas é tanto, tanto amor que a gente nem percebe o esforço! SAudades de vc! Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudade de vc também! Fico besta de ver como esses últimos anos (7 eu acho) voaram! Assim que vc conseguir ter uma rotina pra "saídas", vamos combinar um happy?

      Excluir
  5. Thais, meus olhos encheram de lágrimas, não pude deixar de imaginar tudo o que vocês estão passando. Sou Elen, mãe do Enzo (2 anos e 3 meses), te conheci um dia, rs... trabalhei com o Rafa na J e na Eugênio...
    Só posso aplaudir vocês, pelo amor e insistência nas tentaivas sem fim até encontrar a forma mais confortável para a alimentação do pequenino. Mãe de verdade é assim mesmo.
    Mas queria dizer o seguinte: Eu e o Enzo, graças a Deus, não tivemos muito problema com isso, ele mamava super bem (come bem até hoje) e eu tinha bastante leite. O problema que apareceu foi quando, chegando o fim da minha licença, comecei a testar um LA para o caso de eu não conseguir dar a ele todas as mamadas do dia. O pediatra receitou o Aptamil. 1 dia depois da 1ª mamadeira, o bumbum do Enzo estava com uma assadura que eu nunca tinha visto em criança nenhum até aquele momento, ficou horrível. Até eu descobrir que era o leite... bom, esperei melhorar um pouco e mudei para o NAN, que foi ótimo, como eu continuava amamentando ele não teve problema de ressecamento. Mas a assadura demorou 1 mês inteiro para melhorar e sarar.
    Mais uma vez parabéns e força, jajá ele está correndo por aí (aproveite tudo).

    ResponderExcluir
  6. Ana Cláudia Raymundi3 de julho de 2012 22:02

    Oi amiga!
    Descobrí seu blog hoje!

    Vamos combinar que essa vida de mãe não é nada fácil. É boa, muito boa, não dá para imaginar a vida sem esses pequenos, mas não é nada fácil... Somando tudo isso que você passou com muito, muito sono por não dormir.... É enlouquecedor... Quem não surta nesta época, não surta mais, não é verdade???

    Tem uma coisa que minha ginecologista me falou antes mesmo de ficar grávida. Essa fala fica ecoando sempre e é bom saber que não sou a única: "Para ser mãe, você tem que estar preparada a falhar e falhar e falhar, sem se culpar. Isso faz parte de ser mãe, desde a gravidez e nunca acaba..."

    Mas vamos por aí, caminhando e aprendendo a ser mães.. rsrs e cada dia descobrindo uma coisa nova.. e a alegria que eles nos trazem é tanta, tanta, que mesmo assim da vontade de passar por toda essa loucura novamente, não é?!

    Beijo grande para vocês, cheio de saudades e com muita vontade de conhecer o pequeno!

    ResponderExcluir
  7. Oi thais. conheci seu blog ha alguns dias. e seus textos sobre amamentacao tem me ajudado muito. meu filho esta com 27 dias e tive q iniciar com o complemento pra ele nao ficar com fome. mesmo assim continuo.dando peito, tomando equilid e muita agua.
    no comeco foi dificil pra mim aceitar a complementacao. entao li seu post que me ajudou muito.

    Agora to na fase dele chorar direto. mas logo descobrimos o que e.

    beijos tati

    ResponderExcluir
  8. Elen, eu lembro de você! Rafa sempre me mostra fotos do Enzo. Obrigada pelo carinho! A gente está se acertando! Graças a Deus ele está lindo, forte, sorridente e gorducho. Um amor!

    ResponderExcluir
  9. Aninha!
    Saudades de você mulher! Obrigada pelo comentário! Logo, logo promoveremos o encontro Heitor e Benjamin em terras de pé vermelho ou aqui na garoa, que tal? Me avisa quando vier pra cá!

    ResponderExcluir
  10. Tati, Força aí! Logo vocês se acertam! Esses primeiros dias são dificeis mesmo, mas eles passam! Mentaliza isso! Beijo grande.

    ResponderExcluir
  11. Oi Thais, vi sobre seu blog no face da Gi e esse post retrata um pouco do que estou "começando" a passar. Tenho uma filha de praticamente 1 mês e estou lutando com a amamentação, dando o peito e complemento com o leite. Ah, e tb tomando o equilid e chá da mamãe para o leite aumentar. É uma fase que temos que ter muita força de vontade, digo que a amamentação esta sendo a tarefa mais difícil, mas nao vou desistir.
    Como vc disse, o complemento do leite ajuda o bebê a ter prisão de ventre, o que de fato agrava a situação, com as dores e sofrimentos tanto do bebê quanto de nós (mamães).
    Parabéns pelo seu blog, serei sua seguidora, pois trocas de experiências é tudo que preciso nesse momento.

    Abraços

    Kênia Brito

    ResponderExcluir
  12. Kênia, tenha paciência e persistência! Cada dia é uma vitória e você vai ver que se seguir seu coração e seus valores vai chegar onde quiser! Obrigada pelo comentário! Bj

    ResponderExcluir
  13. Thaís, estou me vendo no seu depoimento. Estou passando exatamente a mesma coisa. Minha bebe vai fazer seis semanas e não para de chorar, aliás ela grita. Todos os dias, a noite inteira. Eu estou acabada, n agüento mais vê-la sofrendo tanto e estou cansada física e mais ainda emocional. Ela tem refluxo e achei q os choros vinham dele. Além de muita cólica. Até q no último sábado, desesperada, Liguei chorando p pediatra. Ela suspeitou de aplv. Meu

    ResponderExcluir
  14. Continuando: meu mundo desabou. Mas corri na farmácia p comprar o neocate e mudei minha dieta. Não tenho muito leite, produção pouca, mas ela ainda mama um pouco. Até agora n vi melhora e esse choro me angustia demais, tanto q ontem fui bater na emergência. Com Qt tempo depois das mudanças vc viu resultado é ela parou de chorar?

    ResponderExcluir

Deixe sempre sua mensagem aqui.